Para além do lumpen-indigenismo: novos aspectos informacionais da política indigenista brasileira

Palavras-chave: Administração Pública, Fundação Nacional do Índio - FUNAI, Informação, Indigenismo, Estado brasileiro, Fundação Nacional do Índio - FUNAI.

Resumo

O artigo em tela propõe uma releitura do artigo intitulado “O lumpen-indigenismo do estado brasileiro” do antropólogo Jorge Pozzobon tendo por objetivo reelaborar alguns conceitos e propostas do autor em tempo outrora, assim como estabelecer uma ponte para os novos fenômenos informacionais que advém do conjunto político-jurídico hodierno, assim como no fortalecimento do protagonismo indígena na construção de novos modelos de participação e gerenciamento da informação indígena.

Biografia do Autor

Rodrigo Piquet Saboia de Mello, Museu do Índio/Fundação Nacional do Índio

Doutorando e mestre em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - PPGCI - do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT/Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Especialista em Gestão em Administração Pública pelo Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal Fluminense - UFF. Especialista pela Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ - no Curso de Especialização Saberes e Práticas na Educação Básica com Ênfase em Ensino de Sociologia. Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense - UFF - com os títulos de licenciatura e bacharelado. Também possuo o bacharelado em Biblioteconomia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO. Atualmente, servidor público estatutário da Fundação Nacional do Índio - FUNAI - no cargo de Indigenista Especializado lotado no Museu do Índio na Chefia do Núcleo de Biblioteca e Arquivo - NUBARQ e Coordenador de Patrimônio Cultural Substituto. Professor Docente I - 16 horas da disciplina de Sociologia em regime estatutário da Secretaria de Estado de Educação - SEEDUC - do Estado do Rio de Janeiro. É integrante do grupo de pesquisa Informação, Memória e Sociedade, registrado no diretório do CNPq.

Referências

Abrucio, F. L. (1997). O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente.

Almeida, S. R. G. (2014). Prefácio. In: Spivak, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 7-18.

Barroso, L. R. (2011). O controle de constitucionalidade no Direito brasileiro: exposição sistemática da doutrina e análise crítica da jurisprudência. São Paulo: Saraiva.

Borges, A. (2016). Ministério da Justiça quer alterar regras de demarcação de terras indígenas. O Estado de São Paulo. São Paulo. Recuperado em: 28 dezembro 2016 de, http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,ministerio-da-justica-quer-alterar-regras-de-demarcacao-de-terras-indigenas,10000094018

Bottomore, T. (1988). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Zahar.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus Editora.
Bresser-Pereira, L. C. (2001). Do Estado Patrimonial ao Gerencial. In: Pinheiro, Wilheim & Sachs (Orgs.). Brasil: um século de transformação. São Paulo: Companhia das Letras, p. 222-259.

Carvalho, J. M. (2004). A cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Recuperado em: 28 de dezembro de 2016, de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Delmas, B.(2010). Arquivos pra quê?: textos escolhidos. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso.

Faoro, R. (2001). Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Editora Globo.

Foucault, M. (2010). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Freire, J. R. B. (2002). Prefácio. In: Museu do Índio. Povos indígenas no sul da Bahia: Posto Indígena Caramuru-Paraguaçu (1910/1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio, p. 13-17.
Maldonado-Torres, N. (2016). Transdisciplinaridade e decolonialidade. Sociedade e Estado, 31(1), 75-97.

Mello, R. P. S. de. (2014). A importância dos arquivos para a garantia dos direitos indígenas. Arquivo e Administração, Rio de Janeiro, v. 13, p. 56-69.

Ministério da Justiça. Fundação Nacional do Índio (2016). Manual de Gestão Documental da FUNAI. Brasília, DF: FUNAI.

Pozzobon, J. (1999). O lumpen-indigenismo do estado brasileiro. Journal de la Société des Américanistes, 281-306.

Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 650. Os incisos I e XI do art. 20 da Constituição Federal não alcançam terras de aldeamentos extintos, ainda que ocupadas por indígenas em passado remoto. Recuperado em: 28 de dezembro de 2016, de http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/menuSumarioSumulas.asp?sumula=1634

Tocqueville, A. de. (1987). A democracia na América. Belo Horizonte; São Paulo: Editora Itatiaia; Editora da Universidade de São Paulo.

Weber, M. [20--?]. Ensaios de Sociologia. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.
Publicado
2017-06-06
Seção
Artigos Científicos