O uso da Análise Relacional Grey como proposta de avaliação de empresas: um estudo em ambientes laboratoriais de gestão

  • Camila Carvalho Oliveira Santos Xian Jiao Tong Liverpool University
  • Murilo Alvarenga Oliveira Universidade Federal Fluminense Departamento de Administração e Adm. Pública (UFF/ICHS) http://orcid.org/0000-0003-2626-551X
  • Raphael Acosta Université Paris VIIIUniversité Paris IX Dauphine http://orcid.org/0000-0002-6713-4447
Palavras-chave: Avaliação de Empresas, Jogos de Empresas., Análise Relacional Grey, Jogos de Empresas

Resumo

O estudo analisou equipes participantes em um Jogo de Empresas de acordo com três formas de avaliação distintas: Taxa de Retorno, EVA (valor econômico agregado) e um indicador gerado pela Análise Relacional Grey, que combinou os dois outros indicadores, promovendo uma terceira classificação das equipes. A pesquisa teve um caráter exploratório, com tratamento quantitativo dos dados. Como principal resultado, foi possível observar que o indicador combinado se apresentou estatisticamente igual aos outros indicadores, sugerindo a utilidade do indicador combinado Grey como proposta complementar de avaliação de empresas. 

Biografia do Autor

Camila Carvalho Oliveira Santos, Xian Jiao Tong Liverpool University
Mestranda em Administração na Xian Jiao Tong Liverpool University
Murilo Alvarenga Oliveira, Universidade Federal Fluminense Departamento de Administração e Adm. Pública (UFF/ICHS)
Graduado em Administração (UFRRJ), Mestrado em Administração (PPGEN-UFRRJ), Doutor em Administração pelo PPGA FEA USP. Atualmente atua nas Linhas de Pesquisa: Estratégia, Tecnologia e Inovação, Laboratório de Gestão, Simuladores Organizacionais, Apoio a Decisão e Desempenho Organizacional. É professor Adjunto do Depto de Administração da Universidade Federal Fluminense (Pólo Universitário de Volta Redonda) ICHS UFF PUVR. Atua como professor em MBAs da UFF com destaque no MBA em Gestão Empreendedora e no MBA em Economia em Negócios da UFSCar. Possui experiência em Qualidade, Marketing e Treinamento & Desenvolvimento de empresas do setor farmacêutico e tecnologia em agronegócios. Participa de Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu no Mestrado Profissional em Administração da UFF (MPA-VR) e no Mestrado Profissional em Gestão e Estratégia da UFRRJ como professor e orientador no programa. É líder do Grupo de Pesquisa - Laboratório de Gestão Organizacional Simulada (LAGOS) UFF onde coordena pesquisa de Iniciação Científica e Mestrado. E participa como pesquisador no grupo de pesquisa SIMULAB- FEA-USP na área de Laboratório de Gestão, Jogos de Empresas e Simuladores Organizacionais. Sua produção tem ênfase em Administração de Empresas, atuando principalmente nos seguintes temas: jogos de empresas, simulações organizacionais, administração, marketing e processo decisório, gestão da inovação.
Raphael Acosta, Université Paris VIIIUniversité Paris IX Dauphine

Doctorat de Sciences de Gestion de l’Université Paris XIII – Sorbonne Paris Cité

Professeur Comptabilité analytique, Gestion Financière M1 Mathématiques et Informatique de la Décision et des Organisations, Analyse Financière M1 Gestion de Patrimoine

Referências

Assaf Neto A. (2006). Finanças Corporativas e Valor. 2a ed., São Paulo: Atlas.

Barreiro J. H. L. C. D., Gonzalez-Benito J., & Canto J. G. (2010). The Use of Management Games in the Management Research Agenda. In. Seminários em administração, 13. São Paulo.

Bessis, G. Shadow Manager: Manuel de l'utilisateur. (2014). Recuperado em 8 de dezembro de 2014, de: http://www.bessis.com/sm/OnLineHelp/Manueldel'utilisateur.html

Creswell J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. 3a ed., Porto Alegre: Artmed.

Cunha M. F., Martins E., & Assf Neto A. (2012). A Finalidade da Avaliação de Empresas, no Brasil, Apresenta Viés?: Evidências empíricas sob o ponto de vista do desempenho econômico-financeiro. Contabilidade Vista & Revista, 23(3), 15-47.

Damodaran, A. (2007). Avaliação de Empresas. 2a ed., São Paulo: Pearson Arantes Alvim.

Denardin, A. A. (2004). A Importância do Custo de Oportunidade para a Avaliação de Empreendimentos Baseados na Criação de Valor Econômico (Economic Value Added–EVA). ConTexto, 4(6).

Eder, C. F., Meneses, G., Fiterman, L., & Tinoco, M. A. C. (2004). Avaliação dos métodos da taxa interna de retorno modificada: uma aplicação prática. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Artigo), Porto Alegre.

Famá, R. (2003). Avaliação de Empresas e Apuração de Havers em Processos Judiciais: Uma Análise Segundo a Teoria de Finanças. In: VI Semead - Seminários em Administração, São Paulo.

Fitó-Bertrán, A., Hernández-Lara, A. B., & Serradell-López, E. (2014). The effect of competences on learning results an educational experience with a business simulator. Computers in Human Behavior.

Garcia, P. D. A., Neves, J. S., Jacinto, C. M. C., & Droguett, E. A. L. (2005). Utilização de análise relacional grey no gerenciamento da cadeia logística. XXVII Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional. Gramado, RS.

Gil A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6a ed., São Paulo: Atlas.

Gitman, L. J. (2010). Princípios de Administração Financeira Essencial. 12a Ed., Porto Alegre: Bookman.

Keys, B., & Wolfe, J. (1990). The role of management games and simulations in education and research. Journal of management, 16(2), 307-336.

Lemes JR. A. B., Rigo C. M., & Cherobin A. P. M. S. Administração financeira: princípios. Fundamentos e Práticas Brasileiras. 3a ed., Rio de Janeiro Elsevier.

Lin, Y. L., & Tu, Y. Z. (2012). The values of college students in business simulation game: A means-end chain approach. Computers & Education, 58(4), 1160-1170.

Luís, C. A. C. (2012). Avaliação da performance empresarial: as métricas tradicionais versus as métricas baseadas em valor (Doctoral dissertation).

McLeod, P. L. (2013). Experiential learning in an undergraduate course in group communication and decision making. Small Group Research, 44(4), 360-380.

Mendes, M. D. L. D. M. (1997). O modelo GS-RH: uma integração de Jogos de Empresas para treinamento e desenvolvimento gerencial.

Müller, A. N., & Teló, A. R. (2017). Modelos de avaliação de empresas. Revista da FAE, 6(2).

Oliveira, M. A. (2009). Implantando o Laboratório de Gestão: um programa integrado de educação gerencial e pesquisa em administração (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Prazeres T. F., Leal JR. I. C., & Garcia P. A. A. (2010). Análise relacional grey e método de análise hierárquica: Um estudo comparativo aplicado ao caso de movimentação e armazenagem de material siderúrgico. In. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Resende/RJ.

Rocha, J. S. D., & Selig, P. M. (2001). Utilizando o indicador EVA Economic Value Added na gestão econômica de pequenas e médias empresas. In: IIV Simpósio de Engenharia de Produção Unesp. Bauru/SP.

Ross, S., Westerfiled R. W., & Jaffe J. F. (2002). Administração Financeira. 2ed. São Paulo: Atlas.

Sauaia, A. C. A., & Oliveira, M. A. (2011). Decomposição do Desempenho Organizacional em um Jogo de Empresas. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 4(1), 158-182.

Sauaia, A. C. A. (2010). Laboratório de gestão: simulador organizacional, jogo de empresas e pesquisa aplicada. Barueri-SP: Editora Manole.

Sauaia, A. C. A. (1995). Satisfação e aprendizagem em jogos de empresas: contribuições para a educação gerencial (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Stouten, H. et al. (2012). Learning from playing with microworlds in policy making: An experimental evaluation in fisheries management. Computers in Human Behavior, 28(2), 757-770. Recuperado em 26 de março de 2015, de: http://dx.doi.org/10.1016/j.chb.2011.12.002

Tao, Y. H., Yeh, C. R., & Chin, K. C. (2012). Effects of the heterogeneity of game complexity and user population in learning performance of business simulation games. Computers & Education, 59(4), 1350-1360.

Torquato, R. A. (2011). Avaliação Empresarial em uma Simulação Gerencial sob a Perspectiva da Análise Relacional Grey. (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal Fluminense).

Wen, K. L. (2004). Grey systems: modeling and prediction. Yang's Scientific Research Institute.
Publicado
2017-06-06
Seção
Artigos