Os Influenciadores Digitais e a Relação com a Tomada de Decisão de Compra de seus Seguidores

  • Anelise Daniela Schinaider Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Isabelle Noga Barbosa Instituto Federal do Rio Grande do Sul - IFRS Campus Canoas
Palavras-chave: Digital influencers; Marketing digital; Comportamento de compra; Tomade de decisão; Área da beleza.

Resumo

No cenário atual cada vez mais as pessoas estão mais online do que off-line. Assim, novas formas de trabalho e marketing estão sendo escolhidas para suprir a demanda e chegar ao público alvo. Um novo modo de marketing está em alta com o marketing digital que, juntamente com o marketing de conteúdo, são os digital influencers que vêm com força para ser o modo de marketing mais eficaz. Objetiva-se identificar se os digital influencers auxiliam na tomada de decisão dos seus seguidores no ramo da beleza. Foi utilizado o método survey, sendo a coleta de dados por meio de um questionário, contendo 17 perguntas fechadas. Obteve-se uma amostra de 208 respondentes, em outubro de 2018. Evidencia-se que a maior parte dos respondentes são do sexo feminino inserida nesse campo de seguidores dos digital influencers, jovens e 66,3% tem Ensino Médio completo, concluindo que essa é a geração milênio voltado ao mundo da tecnologia. Ainda, as estratégias de marketing dos digital influencers transmitem confiança aos seus seguidores, tonando-se essa relação lucrativa para as marcas/empresas e os digital influencers. Conclui-se que os digital influencers no ramo da beleza influenciam na tomada de decisão de compra em seus seguidores.

Biografia do Autor

Isabelle Noga Barbosa, Instituto Federal do Rio Grande do Sul - IFRS Campus Canoas

Técnica em Administração pelo IFRS-campus Canoas.

Referências

Almeida, M et al. (2017). Quem Lidera sua Opinião? Influência dos Formadores de Opinião Digitais no Engajamento. UFGO. Recuperado em 13 de junho de 2018, de: http://www.scielo.br/pdf/rac/v22n1/1982-7849-rac-22-01-0115.pdf.

Barcelos, R.; Rossi, C. (2014). Mídias sociais e adolescentes: uma análise das consequências ambivalentes e das estratégias de consumo. BASE. Recuperado em 02 de junho de 2018, de: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/104985/000932103.pdf?sequence=1

Coelho, T. (2018). 10 fatos sobre o uso de redes sociais no Brasil que você precisa saber. Techtudo. Recuperado em 11 de novembro de 2018, de: https://www.techtudo.com.br/noticias/2018/02/10-fatos-sobre-o-uso-de-redes-sociais-no-brasil-que-voce-precisa-saber.ghtml.

Eugenio, M. (2018). Digital influencer: o que é e como ele impacta o consumidor?, Dlojavirtual, Canoas. Recuperado em 29 de junho de 2018, de: https://www.dlojavirtual.com/marketing-digital/digital-influencer-o-que-e-e-como-ele-impacta-o-consumidor.

Ferreira, M. (2018). Os influencers digitais na estratégia do marketing das marcas: de cosméticos femininos. UFPR, 2018. Recuperado em 05 de agosto de 2018, de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/56371/R%20-%20E%20-%20MAYRA%20CANDIDO%20FERREIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Freitas, H. et al. (2000). O método de pesquisa suvey. Revista de Administração, São Paulo 35 (3). Recuperado em 06 de agosto de 2018, de: http://www.utfpr.edu.br/curitiba/estrutura- universitaria/diretorias/dirppg/especializacoes/pos-graduacao-dagee/lean- manufacturing/PesquisaSurvey012.pdf.

Gerhardt, T; Silveira, D. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Recuperado em 19 de novembro de 2018, de: https://books.google.com.br/books?hl=ptPT&lr=&id=dRuzRyEIzmkC&oi=fnd&pg=PA9&dq=porque+pesquisa+descritiva&ots= 92S8_-kqGD&sig=_ABsQkueOa-6FKw--vqFCXQU2-s#v=onepage&q&f=false.

Gil, A. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. ed. São Paulo: Atlas.

Globo, O. (2011) Publicidade na internet já movimenta R$ 1,2 bilhão. Recuperado em 09 de setembro de 2018, de: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2011/02/12/ publicidade-na-internet-ja-movimenta-1-2- bilhao-923791125.asp.

Kottler, P.; Keller, K. (2013). Administração de marketing, 14 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Maurício, P; Gerolis, B; Medeiros, M. (2017). Influenciadores Digitais Como Parte da Disrupção do Modelo de Negócios do Jornalismo. In: Congresso Brasileiro de Ciênvias da Comunicação, 40º., Curitiba, Anais eletrônicos... Curitiba, 3-3. Recuperado em 17 de julho de 2018, de: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0502-1.pdf.

Melo, F; Damascena, E; Farias, S. (2012). Investigando o comportamento do consumidor e seu processo de decisão em sites de compra coletiva. Qualit@s Revista Eletrônica, Paraíba, (2), 2-2. Recuperado em 11 de junho de 2018, de: http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/viewFile/1568/865.

Moresi, E. (2003). Metodologia da Pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília.

Oliveira, M. (2011). Metodologia Científica: um manual para a realização de pesquisas em administração. UFG. Recuperado em 24 de junho de 2018, de: https://adm.catalao.ufg.br/up/567/o/Manual_de_metodologia_cientifica_-_Prof_Maxwell.pdf.

Pavanello, G. (2017). Digital influencer, qual é sua função? Seguidoresgram, São Paulo. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: https://seguidoresgram.com.br/digital-influencer- qual-e-sua-funcao/.

Pita, A. (2015). O processo da tomada de decisão na compra de um livro infantil. Dissertação de Mestrado em Gestão de Empresas, UAL, Lisboa. Recuperado em 11 de junho de 2018, de: http://repositorio.ual.pt/bitstream/11144/1882/1/TeseMestrado_AnaCristinaPita.pdf.

Reamp, Equipe. (2018). Influenciadores digitais e sua relação com as marcas. BLOGREAMP. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: http://reamp.com.br/blog/2018/07/influenciadores-digitais-e-sua-relacao-com-as- marcas/.

Ratcheva, A. (2017). A influência de digital influencers no processo de decisão de compra do público feminino. Trabalho final de conclusão de curso apresentado à Especialização em Marketing Empresarial, UFPR, Curitiba. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/52978/R%20-%20E%20-%20ACEA%20EVGUENI%20RATCHEVA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Editora Meridional. Recuperado em 02 de junho de 2018, de: http://www.ichca.ufal.br/graduacao/biblioteconomia/v1/wp- content/uploads/redessociaisnainternetrecuero.pdf.

Rez, R. (2016). Marketing de conteúdo: a moeda do século XXI. São Paulo: DVS Editora. Recuperado em 04 de maio de 2018, de: https://books.google.com.br/books?hl=pt-PT&lr=&id=_o7JDgAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT4&dq=marketing+de+conte%C3%BAdo& ots=Fz5vyB2uiJ&sig=EDVG6-0uR2kBQ8FOSlU9cyTGlfM#v=onepage&q&f=true.

Sampaio, V.; Tavares, C. (2017). Marketing digital: O poder da influência das redes sociais na decisão de compra do consumidor universitário da cidade de Juazeiro do Norte-CE. Revista Científica Semana Acadêmica, Fortaleza, n. 104, 5-9. Recuperado em 03 de junho de 2018, de: https://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/artigo_cira_e_cristiano_0.pdf.

Semis, L. (2018). Veja o que mudou na idade mínima para ingresso no Infantil Fundamental. Nova Escola. Recuperado em 20 de novembro de 2018, de: https://novaescola.org.br/conteudo/12222/veja-o-que-mudou-ou-nao-na-idade- minima-para-ingresso-na-educacao-infantil-e-fundamental.

Teixeira, J. (2010). Fatores que influenciam o comportamento do consumidor. Pós-graduação curso de especialização em gestão estratégica de vendas e negociação, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro. Recuperado em 04 de junho de 2018, de: http://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/k212800.pdf.

Torres, C. (2009). A bíblia do marketing digital: Tudo o que você queria saber sobre o marketing e publicidade na internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec. Recuperado em 01 de maio de 2018, de: https://drive.google.com/file/d/1uNGAKv6nBZt23RhB6Cnn9NM- QyF_OMWm/view.

Valverde, C. (2016). As 12 redes sociais com mais mulheres, Super Interessante. Recuperado em 19 de novembro de 2018, de: https://super.abril.com.br/blog/superlistas/as-12-redes- sociais-com-mais-mulheres/.
Publicado
2019-08-29
Seção
Artigos Científicos