Pensar o Brasil: novos tempos para ciência, tecnologia e inovação

  • Marcelo Goncalves do Amaral Universidade Federal Fluminense - UFF
  • Bruno Brandão Fisher Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
  • Rodrigo da Silva Carvalho Instituto ORT
  • Virgílio Cézar da Silva e Oliveira Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF

Resumo

No limiar do vigésimo ano do novo século e milênio, um grande conjunto de mudanças é sentida em nossa sociedade, tanto em nível nacional quanto em âmbito global. O aprofundamento da transformação digital, iniciada há quarenta anos, as crises políticas e econômicas dos estados-nações, refutam completamente a ideia do fim da historia e da hegemonia norte-americana, abrindo espaço para uma nova dualidade ocidente-oriente. Nesse contexto, pensar o papel do Brasil em sua inserção na política internacional e nas cadeias globais de valor é essencial. Entretanto, pouca discussão tem sido feita sobre tais temas para se definir uma estratégia nacional. Em paralelo, discussões importantes sobre a configuração e financiamento dos entes de C&T&I do país foram trazidas à tona sem o devido cuidado e vêm gerando uma série de desconfortos e pânicos sobre o futuro de nossas instituições. Ao mesmo tempo que os setores mais dinâmicos da economia aceleram sua integração internacional, outros vão ficando cada vez mais distantes, assim fatiando o país em camadas ou grupos sociais que vivem em condições altamente heterogêneas em termos de desenvolvimento socioeconômico. Tal situação representa um fenômeno difícil de ser compreendido e tolerado à luz do conceito de cidadania  - e de difícil reversão, ainda que políticas de equidade sejam empreendidas. Sem fazer juízo de valor, a RASI se posiciona como um instrumento de discussão, acadêmico e profissional, das temáticas relevantes para o avanço da administração, da inovação e da sociedade em sentido amplo. 

Publicado
2019-08-29